A DOR QUE MACHUCA É A DOR QUE ENSINA.

POR MAIS QUE CHORES E SOFRAS SEMPRE HAVERÁ UMA SAÍDA.

O TEMPO MUDA AS PESSOAS, MAS AS PESSOAS MUDAM COM O TEMPO.


ELMAR - O CONSELHEIRO CERTO PARA AS HORAS INCERTAS.


31/01/2015

QUANDO UM NAMORO ACABA – O QUE FAZER?

obra de Diego Rivera


A pessoa inconformada com a situação pode até fazer promessas de ser diferente, numa tentativa de recuperar ou remendar o compromisso por mais um período.

No namoro, depois de algum tempo, é possível avaliar melhor o que realmente se espera do relacionamento. Algumas vezes, depois dessa avaliação, em razão dos motivos, os quais somente o casal tem suas justificativas, o namoro termina. Mesmo que não tenha dado certo, muitas outras coisas terão valido como experiência de vida.

Com o rompimento do relacionamento o que pode se fazer? Nenhum rompimento parece saudável num primeiro instante, especialmente quando o relacionamento parecia estável. A pessoa que acreditava viver ao lado do namorado(a) como futuro esposo(a), se vê desnorteado(a). Vê seus projetos desabando...

Pensando ter pedido o sentido da vida, a pessoa inconformada com a situação, pode até fazer promessas de ser diferente, numa tentativa de recuperar ou remendar o compromisso por mais um período. A sensação de desamparo depois de algum tempo de convivência e todas as lembranças sobre o que foi vivido no relacionamento poderão trazer machucaduras, especialmente para aqueles que ainda se sentem apaixonados.
Se há um problema, há também uma solução!

Superados os momentos mais dolorosos, os ex-namorados terão que enfrentar o sentimento do vazio e de solidão que ficaram. Na tentativa de preencher este espaço gerado pelo rompimento, a pessoa pode pensar que encontrar um novo namorado(a) seja a solução para o problema sentimental. Outro pode sentir medo de viver um novo relacionamento e voltar a se ferir. Como se pode começar algo novo sem antes ter assimilado aquilo que foi vivido anteriormente? Entender melhor o que somos, o que queremos e aprender a lidar com sentimentos, muitas vezes desconhecidos em nós, como ciúme, posse, medo e insegurança pode ser a chave para compreender aquilo que esperamos daquele(a) que se põe ao nosso lado.

Numa relação, quer seja de amizade ou de namoro, se faz necessário identificar a importância da nossa participação. Como também, perceber o vínculo da outra pessoa para com a gente e vice-versa. Acredito ser necessário ter consciência do real valor desse último relacionamento amoroso em resposta aos anseios nele projetado. Analisar os prós e os contras a respeito de nossos impasses se torna mais fácil quando conversamos com alguém sobre nossas dores, anseios e dificuldades.

Elmar